Grupo Espírita em Niterói-RJ

Tag: mensagem psicografada (Page 1 of 3)

A hora da transformação

Lembra que a semente desfaz-se da casca e avança para a luz do sol com suas folhas tenras e caule frágil – não se limita às dificuldades. Contorna-as. Chegou o seu tempo de germinar. Este é o seu momento de transformação.

A lagarta se transforma em borboleta.

O lírio branco e dotado de beleza exaltada por cantores e poetas, vive plantado na lama .

Transforma a podridão de que se alimenta, em beleza a enfeitar caminhos e jardins.

Chegou a sua hora de transformação. E a transformação é inexorável. E quem não a acompanha perde o senso da realidade. Pois , para a vida, a realidade passa a ser a nova condição que a transformação impõe.


Aqueles a quem acompanhas – pais ,mães, entes queridos, cumprem a jornada que lhes cabe, com autoridade moral e resistências sobremaneira úteis para sua evolução. É o tempo de cada um se transformar.

A vida decide com justiça e ampara com a bondade.

Alimentando-se da realidade planetária onde persistem a lama do egoísmo, dos apegos desequilibrados, floresces para a vida espiritual apoiando-se na intenção de dar-se.

Bem aventurado é aquele cuja presença é a exaltação da justiça, do bem e da caridade.

Prepara o sentimento para o momento de transformação.

Cuida dos que amas e tem sob tua responsabilidade, observa a hora de transformação de cada um.

Mas perante a essência da humanidade de se reveste , continua , cabeça erguida recebendo o sol da realidade da vida, que cobra utilidade em nossos intenções, atitudes e pensamentos.

Amorosamente nós te receberemos em nossa casa de caridade, ou onde se falar a língua do amor.

Queridos e amados filhos e filhas, as luzes dos céus se acendem todos os dias à noite.

Anunciando aos mais pobres e famintos de comida e afeto , que o bem permanece atento, mesmo na escuridão na qual os caminhos se deixam envolver.

Com carinho,

JOAQUIM

Mudança Interior

Sob a nuvem espessa de escuro véu se esconde o passado a reclamar
reparação. Sofrimentos e dores nos assinalam a existência e, provenientes
que são dos nossos desajustes, não estão ali para nos ferir propositadamente, senão com o objetivo de pedir que o mal seja recambiado em bem.


As situações com as quais nos defrontamos são sempre setas a nos indicar o
caminho. Estancar essa caminhada atrasa nossa marcha evolutiva e nos
coloca em posição contrária à Lei de Deus.


Somos chamados a reconstruir a Terra, a Terra dos nossos corações. É ele o
terreno árido que nos compete arar, adubar, regar, semear, para poder ver
germinar a semente do Bem, plantada para ditoso porvir.


Acolher-se com sincero devotamento e estima é o primeiro passo para as tão necessárias modificações internas que acontecerão em cada um de nós.

Seja o teu caminho luz. Seja o teu falar a verdadeira comunhão da paz em
Jesus.


Que o Cristo possa brilhar em cada coração.
Paz e luz!


Um amigo.
GESJ – 04/08/2020

Respeito à criação

A flor que perfuma os jardins a balouçar-se ao vento e encantar os
enamorados é tão divina quanto as andorinhas em revoada no céu.

Formigas e minhocas adubam a terra sem reconhecimento humano, mas a
anuência divina ali está a lhes confirmar a continuidade da existência.

Nas matas e florestas crescem flora e fauna em pleno desenvolvimento de
suas potencialidades naturais, o que lhes facultará a evolução das espécies
na linha pulsante da vida.


A Natureza é interpenetrada por todos os tipos de vida existentes.

Na formação planetária, nessa linda gênese Crística, a poeira cósmica a se
transformar pelas diferentes aglutinações atômicas, deu origem ao mineral,
ao vegetal, ao animal. Esses, passaram a interagir e a pedra convive com a
planta, que por sua vez serve de sombra para os animais. Estes últimos,
evoluindo, transferem-se ao círculo de humanidade.

No entanto, com pesar e dor, constatamos que nós, os homens, de forma
irrefletida, nos valemos de todos os reinos da natureza a lhes exaurir os
recursos sem os reconstruir.

Essa atuação, em desacordo com as leis divinas, trará graves consequências
ao Planeta e a nós mesmos.

Disse o Senhor que a Vida seria abundante, mas, para isso, deve ser para
todos. Nenhum ser pode ser excluído do direito à vida. Não nos compete
alterar esse ciclo natural.

O grande apóstolo, escolhido por Jesus para espalhar a Boa Nova do Reino,
disse lindamente que as coisas divinas e invisíveis tornavam-se visíveis e
críveis aos nossos olhos por tudo quanto estava criado. Estariam, por acaso,
os animais fora dessa natureza perfeita que é parte do próprio criador?

Andar lado a lado com nossos irmãos animais, em clima de confiança e
respeito, é tarefa que nos cabe desempenhar a fim de caminharmos rumo a
um mundo melhor para nós e para eles. Estariam eles, porventura, desejosos
de perder a sua vida?

Gostaríamos nós que alguém nos viesse usurpar o direito a esse Bem mais
precioso?

É urgente enquadrarmos nossos queridos irmãos em uma esfera de amor e
pela qual devemos lutar.

Construir uma mente sã e modificar velhos hábitos para uma cultura de paz,
não só entre os povos humanos, mas entre todos os seres, este é o nosso
dever.

Refletir sobre a quantidade de tudo quanto consumimos para que não
venhamos também a nos valer dos nossos irmãos vegetais e minerais de
forma arbitrária e inconsequente, alterando ecossistemas e tornando secas
as vidas que não permitimos prosperar.

Irmãos, nem sempre o que é necessário ser dito é acompanhado de doces
palavras, pois que amargas vêm sendo nossas atitudes perante o Universo.
Por vezes, a corrigenda é dura, dolorosa, mas é preciso caminhar.

O tempo da inconsciência ficou para trás e é fundamental que nos
responsabilizemos pela parte que nos compete e tomemos a dianteira rumo a
caminhos novos.

Pedimos a paz, mas a paz que não é para todos não é paz.

Ser a luz do mundo é clarear os caminhos de todos quantos estão
caminhando conosco, humanos ou não e se o sal, além de dar sabor, conserva,
se faz necessário aprendermos a conservar a vida nascente: mineral, vegetal
ou animal. Só assim, seremos luz do mundo e sal da terra.

Companheiros, avante, rumo ao despertar! Rumo ao bem estar de todos os
seres viventes!


Pela paz no mundo, com satisfação e alegria.
Frei Ângelo
GESJ – 04/08/2020

Escutei nas sombras

Escutei nas sombras das noites nas quais os enfermos choravam, filhos e filhas se
lamentavam:

– o Brado de Xangô;
– o canto da Sereia;
– o trotar dos cavalos da falange de Ogum;
– o cântico de mamãe Oxum.

É a Umbanda que, no mundo espiritual, não detém a marcha da evolução. A morte, envolta nos sofrimentos, chega para cumprir e resgatar consciências. As falanges de Umbanda trabalham arduamente, infatigáveis e dedicadas.

São os recursos que o carinho de Nosso Senhor enviou à pátria do Brasil.
As equipes de Umbanda, caridosas e determinadas, não vêm para evitar a transformação das consciências, a revisão dos ideais, o reviver da convivência em família.

Vêm para acariciar, para apascentar, para acalmar as almas em apego por um modo de vida injusto e sem equilíbrio.

Os caboclos de Umbanda já saem das matas, dos campos, dirigem-se aos sofredores de toda ordem. Cantam seus cânticos feitos de perfume do mato, de cintilar do pirilampo, da canção dos pássaros que enfeitam as manhãs.

Os caboclos de Umbanda, de mãos dadas, vêm enfileirados, sustentando nos braços os que morreram para a matéria e renasceram para o mundo espiritual.

Na Terra, a evolução pela dor se implanta, as mulheres e homens, velhos e moços, crianças se adequam a uma nova face.

A face de uma vida onde não cabe mais injustiça, nem opressão, nem inverdades.
Em espiral, na ascensão da caravana em progresso, os “mortos para a vida física”,
resgatam o vigor e cantam agora juntos: os caboclos de Umbanda e os recém desencarnados.

É o momento épico do novo mundo.

É o alvorecer da nova Era. Enquanto atrás a Terra envolta em névoa se debatia no
empenho de compreensão do que ocorria, no mundo espiritual tudo era alegria. Pois as forças sociais, tecnológicas e culturais se adaptarão a um mundo necessitado de cooperação.

Nunca mais o medo. Os animais correrão livres da morte para alimentação dos humanos.

Uma correspondente e leve fonte de vida e de libertação dos nossos irmãos “menores” fluirá de todas as partes.

As crianças receberão educação e orientação para serem completos cidadãos. A
protegerem a vida em toda a sua extensão.

Viva a Xangô!

Viva a Iansã!

Viva a Preto Velho!

Salve nosso Senhor! A Umbanda desde sempre foi o apoio de Jesus para a consecução da nova Era.

Caboclo das Sete Encruzilhadas, o “Poeta de Umbanda”.

Doação

A lua clareia a noite, como o sol clareia o dia, usando a luz de empréstimo de seu irmão generoso. O sol nunca invadiu o seio da noite a fim de cobrar seu brilho natural e cede, a cada dia, um pouquinho do seu brilho para que os poetas possam contar as estrelas.


A lua, igualmente generosa, alma boa, que doa porque sabe receber, nunca cobrou do mar seus efeitos nas marés, nem dos enamorados o céu límpido em que a contemplam.


O Universo é assim, generoso por natureza. Precisamos, também nós, aprender com tanta beleza a andar pelo Planeta em regime de doação.

Quanto mais me entrego, mais recebo, pois que tudo é um irmão.


Um pranto orvalhado de luz se despede, lembrando Jesus, que por cada tutelado, morreu na infamante cruz.

Um servo dedicado.

Irmão

Irmão, ouve, teu próximo clama por socorro.

Irmão, vê, pois que ao teu lado alguém te olha em súplicas de paz.

Irmão, ampara, em toda parte há pessoas que sofrem e anseiam por quem lhes estenda as mãos.

Irmão, caminha, de forma resoluta a buscar os infortunados da sorte com acolhimento fraternal.

Irmão, sorri, uma vez que um sorriso ilumina o semblante e alivia a angústia de quem recebe.

Por fim, fale, fale do Evangelho a quantos não puderem se beneficiar da tua escuta, do teu amparo e sorriso.

Leve a todos quantos puderes as palavras do Mestre, do Meigo Jesus.

Não te esqueças, porém, que todas essas aplicações servem antes de tudo a ti mesmo. E, assim, confie, pois que a misericórdia divina é bálsamo a todos os corações pulsantes no Universo.

Jesus, que é vida plena, quer que a tenhamos também em plenitude.

Trabalhemos por alcançar as belezas da Eternidade.

Com estima e desejos sinceros de progresso e muita luz no coração.

Um amigo.

O Tempo

Foi-se o tempo
Foi-se a lua
Foi-se a história
Só não foi o rei
Nem foi o poeta
Cuja foice inglória
Não levou, apenas segou
De modo a calar
Na memória
O passado sangrento
Da noite nua
Para resgatar agora
Todo mal de outrora
No Eterno Bem
Para sempre, Amém!

Para Ubaldi

Na solitude da missão
Guiado pela divina mão

Abraçado à voz maior
Que esteve sempre ao seu redor

Mas nada disso importa
Quando estamos na retorta

Avançando em linha reta
O evangelho é a meta
Que se deve alcançar
Para o futuro ver chegar

Esteve no apostolado
Esteve homem e doutor
Hoje aureolado
Por sua obra de amor

Unindo ciência e criação
Nos mostrando o caminho
Nas espirais da evolução

Por isso, nós devemos
Respeito e dignidade
A quem sempre nos honrou
Como Pedro, Pietro ou Frade

Natureza

A música da natureza é de beleza universal. Nos encanta a leveza, que sem
aspereza, afasta todo o mal. Consciências em formação, orientadas no
caminho para a Regeneração. Porque na dança da vida, linda, tão colorida, o objetivo é a perfeição.

Pródigos que somos, em todas as direções, tentando achar o rumo dos nossos corações.

Tanta riqueza assim, não poderia perecer, porque estamos na busca sem fim de um novo amanhecer.

Formamos a grande família dessa enorme constelação, onde o fraco que ora espera, encontrará amanhã a redenção.

Um alerta, no entanto, vos faço: não esqueçam nenhum ser.
Para que não venha, mais tarde, pela dor se arrepender.

Se a bonita melodia que insiste em tocar ecoa em nosso ser, aprenderemos com ela um dia, suas notas entoar.

Os seres aqui viventes não somos apenas nós. Junto à Natureza jamais estaremos sós.

Não é o limite o céu. Limites são meus atos, transformando o menor em réu.
Que venha o amor maior, amor incondicional. Onde todos serão amados, homem, planta e animal.

A Terra não será apenas recordação de dor, sofrimento e lutas, será também a casa da vida em comunhão.

As luzes que agora vejo, vem do Alto a me ofuscar, porque chegam como um cortejo de lindas sabiás.

Avezinhas tão sinceras, nos oferecendo a luz em forma de sinfonia,
deixando ver quão bela é a natureza em harmonia.

Irmanar-nos uns aos outros é nossa tarefa atual, para que todos juntos deixemos de vez o mal.

Saudades daquela terra em que ainda não pisei, onde o homem, a planta, o bicho, é todo mundo Rei.

Que flores de esperança rebrilhem nos corações, que sinceros despertam emoções.


Muita paz!

Transformações

Pelas suas mãos vejo o universo, onde cada um é vida e construção divina.

E temos um universo em cada um de nós.

Divina centelha que nunca irá se apagar, poderá sim, ocorrer transformações, mas desaparecer… jamais.


« Older posts

© 2020 Servidores de Jesus

Theme by Anders NorenUp ↑